Date: 21 Fev 2018

Inicio de semana bem movimentado ontem nos indices norte-americanos, com o sentimento dos investidores a ser condicionado pela venda de dívida norte-americana, o maior montante até hoje com $179 biliões nos três leilões, e pelo pior dia em 30 anos da Walmart, o maior retalhista mundial com lojas físicas, com uma forte desvalorização de -10% nos seus títulos, devido a resultados abaixo das previsões e a uma quebra substancial nas suas vendas online no período de Natal, que afectou não apenas o sector dos retalhistas de bens de primeira necessidade, que recuou -2.25% para a pior performance do dia no S&P500, mas também foi o principal responsável pela maior queda para o Dow Jones, -1.01%, entre os três principais indices de Wall Street.

Este mau desempenho da Walmart, especialmente no online foi uma boa notícia para o rei do sector, a Amazon, que no meio de tanto vermelho entre os seus concorrentes conseguiu valorizar 1,36%, permitindo ao Nasdaq o melhor resultado do dia, com uma queda residual de -0.07%. Na Europa o dia foi positivo com alguns bons resultados empresariais a definir o sentido do movimento, contudo e apesar da valorização de 0,6% no Stoxx600 é de realçar que as praças europeias encerraram no pico do dia em Wall Street, não apanhando toda a correcção que se seguiu, pelo que poderá existir alguma pressão vendedora extra no inicio da sessão de hoje.

No Forex o U.S dólar liderou na preferência dos Bulls e adicionou 0,6% ao seu valor, empurrando o Euro para uma desvalorização de -0.6% nos $1.2337, efectivando assim o duplo topo técnico que referi em análise anterior. igual destino teve o Yen, que cedeu -0.6% para os 107.262. Para hoje é de tomar especial atenção à divulgação das minutas relativas à última reunião do FED em finais de Janeiro, isto porque foram as declarações emitidas após a mesma que assustaram os investidores devido à perspectiva de juros mais elevados.

O gráfico de hoje é do S&P500, o time-frame é de 12 horas

O principal índice enfrenta agora um momento importante após ter quebrado em alta a linha de tendência dos máximos de Janeiro (azul), caso aguente acima desta esses máximos poderão ser testados em breve.

Marco Silva