Date: 15 Jul 2020

Depois da reviravolta ocorrida na sessão de segunda-feira e com o contínuo aumento da propagação da pandemia de COVID nos EUA, os índices norte-americanos começaram a negociação de terça-feira em águas de incerteza. Dúvidas que nem os bons resultados da J.P.Morgan, com mais receitas e lucros do que o esperado mesmo no pico da crise, foram capazes de minorar, até porque o seu CEO mostrou cautela quanto ao futuro da economia norte-americana, uma preocupação que tem sido partilhada por vários elementos do FED, tal como ocorreu ontem com a Governadora Lael Brainard a indicar que será a pandemia a ditar o curso da economia, assim como o presidente do Richmond Fed, Thomas Barkin, avisou que o desemprego pode subir de novo com as empresas a reajustarem-se a uma recessão de deverá ser mais prolongada do que o inicialmente previsto.

Robert Kaplan, presidente do Dallas Fed, alertou para o excesso de capacidade que a economia tem nesta fase, enquanto que James Bullard, presidente do St. Louis Fed pintou um cenário agridoce, referindo que a economia continua a crescer na segunda metade do ano, mas não deixou de dar uma pitada de cautela ao indicar que os riscos negativos são, apesar de tudo, substanciais e que uma execução mais granular e baseada no risco da política monetária será essencial para manter a economia fora da depressão. Mas independentemente desses avisos e incertezas, ou do aumento das quezílias entre os EUA e a China, com a decisão de Trump em impor sanções à China e de retirar o estatuto de parceiro privilegiado a Hong Kong, que certamente terão reacções da segunda maior economia do mundo, o certo é que não obstante todas as variáveis negativas, Wall Street virou o disco mas a música dos ganhos acabou por tocar.

Contudo é de realçar que a pressão compradora não foi toda por igual, claramente que os activos que mais têm subido desde os mínimos de Março, estiveram ontem com menor interesse para os investidores, deixando esse espaço para os sector das empresas industriais e de materiais, que valorizaram mais de 2% cada, assim como para as energéticas, que ontem amealharam mais de 3%, apesar do crude não ter tido um desempenho muito relevante, tendo o WTI subido apenas 0,4% de preço para os $40.27 por barril. No mercado cambial o destaque vai para o Euro, que ganhou 0,4% contra a moeda norte-americana, terminando o dia no valor mais elevado dos últimos quatro meses nos $1.1391.

Após o fecho do mercado a notícia de que a vacina da Moderna apresentou, nos testes que está a efectuar, resultados positivos nomeadamente na criação de uma resposta robusta do sistema imunitário contra o COVID, deu o mote para o optimismo fora de horas e que se poderá estender durante a sessão de quarta-feira.

O gráfico de hoje é do EUR/USD, o time-frame é Diário

O principal par de moedas está agora numa fase importante, a testar os máximos de Junho e com os máximos de Março para testar caso quebre os mais recentes.

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.

Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades PLC. As informações não contêm um registo dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.

Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.

Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco