Análises de Mercado

Wall Street sem estímulos e sem rumo

Como era expectável no início desta semana, a falta de catalisadores para mexer com o sentimento dos investidores tem gerado sessões sem grande entusiasmo, com oscilações entre o positivo e o negativo, com algumas rotações de capitais, uma ou outra história de mercado mas sem forças desequilibradoras que empurrem os índices norte-americanos para território recorde ou de correcção, pelo que por agora o tempo é de consolidação, o que não deixa de ser um indício bullish, dado que é um arrefecimento dos indicadores técnicos num movimento lateral e não descendente, para além de que tendo em conta a ausência de notícias positivas e o anúncio de algumas negativas, como foi o caso ontem dos pedidos de subsídio de desemprego, significa que apesar das avaliações bastante generosas existe um suporte de mercado que resulta do binómio de alguma pressão compradora, que por vezes se torna acentuada, mas também de uma quase inexistente pressão vendedora digna desse nome.

Mas já depois de Wall Street encerrar saíram duas notícias importantes que deverão mudar o panorama da volatilidade para os próximos dias, refiro-me à decisão do painel dos consultores da FDA em recomendar a aprovação de emergência da vacina contra o COVID-19 produzida pela Pfizer, o que não sendo uma surpresa dará certamente algum ânimo a um mercado com poucas razões para estar optimista no curto prazo. Por outro lado a segunda novidade foi o fracasso das negociações entre Republicanos e Democratas no Congresso dos EUA, adiando de novo um pacote de estímulos que a maior economia do mundo e seus cidadãos precisam, quase desesperadamente, à entrada para um inverno que tal como Jerome Powell referiu, poderá ser muito duro, tendo em conta que o aumento de casos de COVID-19 obrigou a medidas de confinamento mais agressivas e isso já se sentiu nas jobless claims que subiram acima do esperado, com mais 123,000 pedidos, colocando a fasquia nos 853,000.

E o impasse político aparenta não ter fim à vista com ambas as partes algo irredutíveis e com acusações mútuas, não devendo haver novidades pelo menos até terça-feira, altura em que a Casa dos Representantes se irá reunir de novo após uma pausa, sendo que no entretanto deverá ser aprovado um mini-orçamento federal para mais uma semana, com vista a ganhar tempo para se tentar chegar a um entendimento no tema dos estímulos, uma vez que o orçamento do governo expira esta sexta-feira e daí a necessidade de manter alguma normalidade numa altura já de si muito complicada.

No mercado cambial o Euro brilhou mais forte e valorizou 0.5% contra o U.S dólar para os $1.2138, no dia em que os membros da União Europeia chegaram finalmente a acordo para o orçamento plurianual de $1,8 biliões, que será utilizado para ajudar a estabilizar as economias europeias depois do choque da crise provocada pelo COVID-19. Mas as surpresas positivas deste lado do Atlântico não se ficaram por isso, pois horas antes o BCE tinha anunciado que iria reforçar o programa de compra de obrigações em 500 mil milhões de euros, aumentando o Pandemic Emergency Purchase Program para os 1,85 biliões de euros, estendendo também a sua implementação até Março de 2022. Menos sorte teve a libra inglesa que recuou -0.8% com o aviso de Boris Johnson para os cidadãos se prepararem para um Brexit sem acordo com a União Europeia.

O gráfico de hoje é do XLI, o time-frame é Semanal

O ETF do sector industrial está na terceira onda de subida, sendo importante aferir qual será o seu cumprimento e expansão em valorização, tendo em conta que a ser menor que a segunda (vermelho), será um indício de um enfraquecimento da pressão compradora.

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.
Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades (“AT”). As informações não contêm um registro dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.
Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.
Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco.