Date: 01 Jul 2019

Bom, diz o slogan que “o algodão não engana”, sendo que neste caso o algodão são os dados concretos e esses são absolutamente fantásticos. Refiro-me à performance de Wall Street não apenas no mês de Junho, mas igualmente para o primeiro semestre que terminou, isto porque no mês passado o Dow Jones valorizou um pouco mais de 7%, registando assim a melhor performance dos últimos oitenta e um anos no mês de Junho, enquanto que no S&P500 o ganho de 6.9% no mês foi o maior em quase cinco décadas, para além de que nos seis meses desde o início do ano, o principal índice accionista mundial averba uma subida de 17,3%, que fazem com que seja o melhor primeiro semestre para o índice em vinte e dois anos.

Se só com esses números o percurso de Wall Street seria fora do normal em qualquer altura, mais relevância adquire por terem sido atingidos no décimo ano do maior Bull market da história, no meio de inúmeras incertezas que vergaram o maior banco central na inversão da sua politica monetária, depois de uma época de resultados que revelou uma estagnação no crescimento dos lucros e às portas de mais um fase de reporte das empresas, da qual não se esperam grandes melhorias. Ou seja algo pode não estar alinhado com uma lógica prudente de valorização de mercado, o que poderá ser justificado com o facto de existir hoje um nível de liquidez mundial, como nunca ocorreu na história, para além de que o montante de dívida com juros negativos também atingiu um máximo histórico.

Ou seja existe muito capital e menos locais para o investir, o que em parte tem desviado para activos com maior risco, como o mercado accionista, uma liquidez extraordinária, que por sua vez serve de pressão compradora adicional. Realidade que deverá inspirar cautela aos investidores, no longo prazo. Contudo para já o optimismo parece não dar tréguas, até porque da reunião do G20, entre Trump e Xi, nada de relevante foi acordado, mas sim algo dentro do que tinha antecipado como possível e o mais apetecido pelos investidores, que foi o adiar da imposição de mais tarifas alfandegárias, reactivando apenas as “negociações” que estavam paradas há várias semanas. Como de costume do lado de Trump, a reunião com o seu homologo chinês foi vendida como um sucesso, ao passo que a China, por um dos seus canais de media, alertou para que nada está garantido e que o processo se poderá arrastar durante bastante tempo. Em suma, a novela continua.

O gráfico de hoje é do Russell 2000, o time-frame é diário

O índice das small caps está ligeiramente menos forte que o S&P500 e tem na linha superior do canal (azul), o grande teste para registar novos máximos históricos

Marco Silva