Date: 14 Mar 2018

A sessão de terça-feira até começou de feição para os Bulls, o risco que poderia advir dos dados da inflação não se chegou a materializar e tal como esperado a inflação subiu em Fevereiro dentro do previsto para 1,8%/anual no Core, enquanto que o total ficou nos 2,2%. Em suma confirma-se que a economia norte-americana está agora no verdadeiro patamar do ouro sobre azul, ou Goldilocks, com um crescimento económico robusto e com a inflação já perto dos valores pretendidos pelo Fed, sem dar indícios de sobreaquecimento, factos que eliminam para já a possibilidade do banco central norte-americano acelerar o seu movimento de subida de juros, ficando agora a expectativa dos investidores nos três movimentos para este ano, tal como programado em 2017. Contudo dois “incidentes” que tiveram Trump como fomentador, alteraram o rumo de Wall Street, nomeadamente do veto presidencial ao negócio da compra da Qualcomm por parte da Broadcom, por motivos de segurança, isto porque o Committee on Foreign Investment in the U.S indicou a probabilidade da Broadcom em reduzir os gastos em Investigação e Desenvolvimento da Qualcomm, um movimento que iria dar ainda mais competitividade à concorrente chinesa Huawei.

Contudo o problema do veto não foi tanto pela decisão, mas pela raridade da mesma e pelo receio de uma politica proteccionista ainda mais dura por parte de Trump, após o anúncio das tarifas alfandegarias. Mas não foi só isso que tirou o brilho aos indices norte-americanos, a notícia, mais uma da demissão de um membro da administração de Trump colocou o sentimento coberto de incertezas. Desta feita foi Rex Tillerson, o secretário de Estado, o membro mais importante da administração e o quarto na linha de sucessão à presidência, deixando o importante ministério desprovido de 8 dos 10 seus principais cargos, bem como eleva para mais de uma dúzia os que estavam dentro do circulo mais próximo de Trump e que no entanto foram despedidos. Esta instabilidade vinda da Casa Branca pressionou o U.S dólar que cedeu -0.4% contra o Euro e contra a libra inglesa para os $1.2385 e $1.3959 respectivamente. Já o Yen foi afectado negativamente pelo escândalo que envolve o ministro das finanças japonês.

O gráfico de hoje é do Cobre, o time-frame é Semanal

O preço do Cobre continua perto da resistência de longo prazo (linha vermelha), estando nesta fase a respeitar um canal ascendente (azul), que para já é um bom indicio para que a resistência venha a ser quebrada

Marco Silva