Date: 23 Jul 2018

“Com Trump não há descanso, há sempre inesperados”, foram mais ou menos estas as palavras que um gestor de capital afirmou à Bloomberg sobre as últimas ofensivas do Presidente norte-americano, nomeadamente ao ter referido na sexta-feira estar preparado para implementar tarifas a $500 biliões de produtos importados da China, mas Trump não se ficou por aqui, alargou os ataques à questão cambial, acusando a Europa e a China de manipularem as suas moedas, isto depois de ter dado indicações que discorda de juros mais elevados, ou seja uma indirecta à força que o U.S dólar ganha com esse movimento. Com esta nova frente de conflito aberta os investidores estiveram muito relutantes a colocar risco em cima da mesa, não obstante os resultados apresentados pelas empresas o sugerirem, como por exemplo a Microsoft, que atingiu novos máximos históricos após ter batido as previsões de lucros e receitas, empurrando a “histórica” empresa do ramo tecnológico para dentro da “batalha” com a Amazon e Google pelo direito de ser a primeira a atingir a mítica capitalização de $1 trilião, estando as três na casa dos $800 biliões de valor.

No final da sessão todos os principais indices registaram quedas residuais com o volume a estar de novo no nível de “férias” nos cerca de 6 biliões de títulos transaccionados, cerca de 15% menos que a média em época normal de mercado. No Forex o efeito Trump foi ainda mais sentido, visto que a pressão do presidente para a fraqueza do greenback, com vista a combater as outras economias, não deixou ninguém indiferente e a moeda norte-americana acabou com uma perda de -0,76% contra um cabaz de outras moedas principais, o que impulsionou o Euro para um ganho de 0,8% para os $1.1729, enquanto que Libra inglesa e Yen valorizaram 0,9% cada. Este tema cambial será de particular importância nos próximos tempos uma vez que a desvalorização da moeda chinesa é vista como uma forma da segunda maior economia do mundo lutar contra as tarifas alfandegárias impostas por Trump, contudo esta fraqueza estará no radar do presidente norte-americano, que poderá anunciar algumas medidas retaliatórias para combater esse movimento, quase certo é que a incerteza continuará a dominar os mercados.

O gráfico de hoje é do índice do EUR/USD, o time-frame é 2 horas

O duplo topo que referi em análise anterior (linhas azuis), já atingiu o seu objectivo final que se encontrava na linha vermelha, ou o inicio do movimento que levou ao duplo topo

Marco Silva