Date: 24 Ago 2017

Se na terça-feira Wall Street navegou com ventos francamente optimistas, gerados por uma confiança na implementação das politicas económicas pró-negócios de Trump e da indicação do líder da maioria sobre uma fácil aprovação do aumento do tecto da dívida, ontem o presidente norte-americano comprometeu ambas as premissas ao avisar que “fechará os serviços do governo”, caso o Congresso não aprove um orçamento extraordinário para o seu muro com o México. Adicionalmente o mercado não acolheu favoravelmente a ideia de Trump de cancelar o acordo NAFTA, que é o mais importante acordo comercial dos EUA. Tudo junto só veio criar ainda mais cepticismo sobre a relação da administração Trump com o Congresso dominado pelo partido pelo qual o presidente foi eleito, refreando todo o entusiasmo que existia sobre a possibilidade de serem implementadas medidas importantes como a reforma fiscal.

E nem as palavras de Paul Ryan, o U.S. House Speaker, sobre não haver necessidade para um “fecho do governo” conseguiram acalmar algum nervosismo dos investidores, visto que após as férias o Congresso terá apenas 12 dias úteis para aprovar um aumento do tecto da dívida, ou o tesouro norte-americano ficará sem capacidade de assegurar o pagamento das responsabilidades que forem exigidas. Facto que levou a Fitch Ratings a rever o assunto como tendo implicações negativas potenciais, ou seja uma possível revisão em baixa do rating, ou no mínimo do outlook, algo que seria a todos os níveis um rude golpe para um mercado que se esforça por encontrar fundamentos para uma avaliação bem acima da média.

Sem surpresa, o U.S dólar foi igualmente atingido pela onda vendedora e reverteu o ganho da sessão anterior ao ceder -0.3% contra um cabaz de moedas principais, permitindo ao Euro um ganho de 0,5% para os $1.1819 e um avanço de 0,6% do Yen para os 108.968. Já a Libra inglesa não conseguiu aproveitar a fraqueza da moeda norte-americana e recuou para o mínimo de dois meses nos $1,28. Hoje será um dia importante no Forex, devido as declarações de Janet Yellen, que poderão incluir dicas sobre o futuro do movimento de subida dos juros nos EUA.
O gráfico de hoje é do GBP/USD, o time-frame é Diário

A Libra inglesa está prestes a atingir a linha inferior do canal ascendente (linhas vermelhas), em que se encontra, local que poderá oferecer algum suporte ao activo.

Marco Silva