Date: 23 Jul 2019

Depois de uma semana no vermelho, os índices norte-americanos acordaram ontem bastante mais optimistas antes do anúncio de resultados de algumas das maiores tecnológicas, como a Google, Amazon e Facebook. O bom momento vivido no sector foi principalmente devido a dois factores, desde logo o aumento do preço alvo para o valor dos títulos da Apple, por parte da Morgan Stanley, o que deu impulso para uma valorização de 2.3% à fabricante dos iPhones, enquanto que na componente dos semicondutores, foi a indicação por parte da Goldman Sachs que o stock de material das empresas deste sector vai ser reduzido mais depressa que o esperado, dando assim alento para um ganho de quase 2% no SOXX.

Já do lado negativo destaque para a Boeing, que recuou -1.04%, devido a um downgrade do outlook da empresa, por parte da Fitch e para negativo. Registo pessimista que em conjunto com as fracas performances da Dow e Johnson & Johnson deixaram o Dow Jones à beira de uma perda no dia, com um ganho residual de 0.07%, bem diferente da subida de 0.71% atingida pelo Nasdaq. No mercado cambial o dia foi bastante calmo e onde o realce ficou para a queda de -0.2% no valor da Libra inglesa para os $1.2476, depois do National Institute of Economic and Social Research ter indicado que a economia do Reino Unido poderá já não escapar a uma recessão, independentemente da concretização do Brexit.

Nas matérias-primas o WTI crude avançou 1.1% até aos $56.22 por barril, ainda devido ao aumento das tensões no médio oriente entre o Irão e a dupla, Reino Unido e Estados Unidos.

O gráfico de hoje é do S&P500, o time-frame é de 1 hora

O principal índice mundial está dentro de um canal descendente com a particularidade de que o preço não atingiu a linha inferior no último teste, um indício bullish.

Marco Silva