Date: 04 Jun 2019

Aqui e acolá os pesos pesados da tecnologia em Wall Street tinham já sentido algumas picadas por parte dos reguladores, sendo a mais concreta a investigação da Federal Trade Commission ao Facebook devido ao escândalo da Cambridge Analytica que se prevê custe $5 biliões à empresa co-fundada por Mark Zuckerberg, dos quais $3 biliões foram já deduzidos dos lucros apresentados no primeiro trimestre desde ano. Ontem no entanto e aparentemente, houve uma acção concertada entre a Federal Trade Commission e o Justice Department contra o “clube do trilião”, Amazon, Apple e Google, mais o Facebook. Com efeito ambas as instituições dispararam processos de intenções contra todas elas levando o sector das comunicações do S&P500 para uma queda de -2.79%, ao mesmo tempo que o Nasdaq afundou -1,6%, para entrar em território de correcção, ou seja a perder mais de 10% desde os máximos históricos atingidos no final de Abril.

Seja a FTC a investigar o Facebook, sobre como as suas práticas influenciaram a competição no mundo digital, ou o Justice Department que irá lançar uma investigação à Google e que recebeu jurisdição para olhar mais de perto para as práticas da Apple, ou ambas as entidades terem acordado que a FTC irá agora supervisionar a Amazon, foram bicadas sentidas arduamente pelas empresas visadas e que levantaram o espectro da ameaça, agora mais realista, que a senadora Elizabeth Warren referiu há uns meses sobre quebrar o enorme poder que estes gigantes detém no mercado, separando-os em companhias diferentes. Na ajuda aos Bears esteve o dado económico ISM Manufacturing relativo aos EUA, que revelou uma desaceleração da actividade manufactureira para mínimos de Outubro de 2016, contudo tal não foi suficiente para impedir que o sector dos materiais tivesse averbado uma forte subida de 3.42%, devido à valorização de 11,5% nos títulos da Dupont´s, após a empresa ter feito um spin off da sua unidade agrícola Corteva.

Nos índices o dia foi atípico com o Dow Jones a registar um ganho de 0.02%, enquanto que o S&P500 cedeu -0.28%, com destaque para uma forte procura por activos refúgio que puxou pelas utilities, imobiliárias e retalhistas de produtos essenciais. Nas matérias primas a segurança também teve clientes, com o Ouro a valorizar mais 1,3% para os $1,328 por onça, enquanto que no mercado cambial o Yen adicionou 0.2% ao seu valor para os 108.07, num dia em que a moeda única brilhou ao subir 0.7%, terminando nos $1.124

O gráfico de hoje é do Nasdaq, o time-frame é Mensal

Este mês será muito importante para aferir se o índice tecnológico Nasdaq irá efectivar um duplo topo de longo prazo, o que a suceder poderá significar o fim do Bull market em Wall Street, que leva já dez anos.

Marco Silva