Análises de Mercado

Tecnológicas arrancam para novos máximos

Depois de um dia de menor fulgor na sessão de terça-feira, Wall Street esteve ontem de novo em clima de optimismo, com o sector tecnológico a ser mais uma vez o combustível para valorizações nos principais índices norte-americanos. Mas não só, a ausência de novas vagas relevantes da epidemia a nível global, a política de dinheiro barato e fácil generalizada nos principais bancos centrais, têm dado o impulso fundamental para que os mercados accionistas subam sem grandes obstáculos, com o MSCI All-Country World Index a registar esta quarta-feira novos máximos históricos. Pelo quarto dia consecutivo o S&P500 e o Nasdaq alcançaram território nunca antes percorrido, o que atesta bem da coerência da pressão compradora existente, não obstante todas as incertezas que rodeiam o futuro de curto-médio prazo, ou o facto de uma boa parte dos investidores estar fora do mercado.

Tal como referiu na semana passada o sentimento continua a ser dominado pelo ruído diário, dada a reduzida actividade noticiosa, e ontem foi a vez da Salesforce ser o motivo do optimismo, empresa que em breve se juntará ao índice Dow Jones, uma mudança aplaudida entusiasticamente pelos investidores que souberam igualmente do recorde de receitas, num trimestre, alcançado pela empresa ao atingir a marca dos $5 biliões. Mas após uma corrida impressionante do S&P500, que já amealha mais de 50% desde os mínimos de Março, como serão os próximos meses? Bom segundo uma sondagem da Reuters a cerca de duas centenas de analistas de mercado de todas as regiões do globo, os principais índices irão muito provavelmente terminar o ano abaixo dos máximos pré-crise de COVID-19, o que não invalida a opinião da maioria dos inquiridos sobre esta fase do Bull market ainda ter mais uns seis meses de vida.

Seja qual for o desfecho de 2020, esta quinta-feira poderá ser um dia importante para os próximos meses, isto porque será o dia em que Jerome Powell, presidente da FED vai provavelmente oferecer outra visão do banco central no que diz respeito à inflação, nomeadamente de que uma inflação mais elevada será benéfica no longo prazo, algo que dará certamente muitos dias de conversa e controvérsia. De resto à que realçar a fraqueza do U.S dólar que cedeu ontem mais -0,2%, o que ainda assim não resultou numa valorização do EUR/USD, aliás é curioso que num dia bastante simpático para os Touros, os principais activos refúgio tenham brilhado, com o YEN a ganhar 0,4% e o Ouro a valer mais 1,2% para os $1,952 por onça.

O gráfico de hoje é do USD/JPY, o time-frame é Mensal

Este importante par de moedas anda nos últimos meses anormalmente calmo, pelo menos tendo em conta a volatilidade média dos últimos anos, será a calmaria antes da tempestade?

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.
Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades (“AT”). As informações não contêm um registro dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.
Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.
Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco.