Date: 20 Mar 2018

Não foi uma Merger Monday mas na sessão de ontem não faltaram motivos de interesse e movimento, embora que de sentido único descendente. À entrada para esta semana o sentimento era já de cautela, com o ruído à volta da política proteccionista de Trump, da investigação sobre a intromissão de agentes russos nas eleições presidenciais que o envolve indirectamente, mas principalmente sobre a reunião do FED que começa hoje e que para além da primeira subida dos juros de 2018, poderá transmitir ao mercado informações valiosas quanto ao estado de espírito dos seus membros, nomeadamente quanto ao estado da economia norte-americana e por consequência, sobre o ritmo de tightening previsto o ano passado, que este ano já foi alvo que revisões por alguns analistas dada a possibilidade de um sobreaquecimento da inflação.

Mas a cautela deu mesmo lugar à redução activa de risco com as perspectivas de Trump em demitir Robert Mueller, o Special Counsel que está a liderar a investigação sobre a interferência da Rússia na eleição presidencial de 2016. Em acrescento do sector empresarial surgiu a “bomba” sobre a forma como o ex-conselheiro de Trump, Steve Bannon, utilizou o Facebook para recolher informação sobre cerca de 50 milhões de utilizadores, utilizando depois os resultados na propaganda utilizada na campanha que liderou. O feedback negativo e a possibilidade de maior regulação e escrutínio às empresas tecnológicas com acesso a bases de dados com dimensão relevante, levou a que a pressão vendedora sentida nos títulos do Facebook se tenha estendido a outros gigantes como a Amazon e à Google, resultando numa queda de -1,8% no Nasdaq e de -2,11% no sector tecnológico do S&P500.

No Forex o destaque vai por inteiro para a valorização de 0,7% da Libra inglesa para os $1.403, depois do Reino Unido e a União Europeia terem chegado a acordo sobre as condições a vigorar durante o período de transição, que deverão perdurar por dois anos e manter o status quo em vigor agora, ou seja é um soft Brexit. Facto que beneficiou igualmente a moeda única que ganhou 0,4% para os $1.2341. Esta lufada de “ar fresco” nas negociações entre as duas partes poderá levar à continuação dos ganhos em ambas as moedas, pelo menos por mais algum tempo, dependendo também do que vier a sair da reunião do FED.

O gráfico de hoje é do Nasdaq, o time-frame é Semanal

Ainda mal começou a semana, contudo se o final for similar ao seu inicio então o Nasdaq poderá vir a validar um padrão de duplo topo, com divergência no stochastic (linhas azuis)

Marco Silva