Date: 04 Mai 2018

Na análise de ontem aconselhei alguma cautela visto que é comum nos dias seguintes ao conhecimento do documento emanado da reunião do FED, existir um movimento de continuação do sentimento construído nas poucas horas de negociação após o anúncio, ou então uma inversão por vezes sem grande nexo casual com os acontecimentos do dia. Em qualquer dos casos a volatilidade é geralmente mais acentuada. Ontem foi esse o caso, o movimento foi de clara continuação da dia anterior com uma abertura em baixa e um deslizar que se iniciou após a primeira meia hora do dia e que durou cerca de uma hora, tendo deixado os indices norte-americanos com desvalorizações consideráveis, que no caso do S&P500 atingiu os -1.6%. Mas mais relevante foi o facto de tanto o S&P500 como o Dow Jones terem quebrado em baixa a média móvel de longo prazo, dos 200 dias, algo que este ano já ocorreu por meia dúzia de vezes no principal índice, enquanto que a última vez que tal sucedeu antes de Fevereiro desde ano tinha sido no inicio de Maio de 2017.

Quer isto dizer que a ideia de que a perna do Bull market que vigorou durante 2017 está mais que terminada, é validada agora também por dados técnicos. E foi um movimento técnico que levantou ontem Wall Street do buraco em que se tinha enfiado na primeira parte do dia, permitindo inclusive ao Dow Jones escapar ao vermelho com o sector dos materiais a beneficiar de notícias acerca do inicio da negociação entre os EUA e a China com vista a resolver o impasse das tarifas alfandegárias. A tecnologia foi logo a seguir o sector que mais contribuiu para o aliviar da pressão vendedora, contudo é importante realçar que este movimento técnico de rebound foi conseguido especialmente à custa dos big players do mercado ou as Blue Chips, como a Amazon, Apple e Boeing por exemplo. A corroborar essa ideia está o facto do Russel 2000, mais focado nas small caps ter tido uma queda mais relevante de -0.54%, contra os -0.23% do S&P500, ou seja foi um movimento sem grande “profundidade”.

Hoje será importante para se confirmar se a recuperação terá pernas para andar, isto num dia de non-farm payrolls, o que desde logo quase que garante volatilidade extra. Realce para a valorização do Yen em 0,6% e do Ouro em 0,5%, ambos activos refúgio por excelência.

O gráfico de hoje é do Nasdaq, o time-frame é Daily

Recordo a possibilidade do índice tecnológico vir a validar um padrão de Head&Shoulders de longo prazo caso quebre em baixa a linha dos ombros (azul), que poderia dar inicio a um movimento de correcção significativo ou mesmo ao começo de um Bear market

Marco Silva