Análises de Mercado

Show me the money!

Eternizada nas palavras de Cuba Mark Gooding Jr. a Tom Cruise no filme Jerry Maguire, esta frase dá uma imagem bem nítida e fidedigna do sentimento predominante dos investidores à entrada para mais uma semana de negociação. Isto porque é chegada a hora do mercado, sejam analistas ou investidores, de “exigirem” resultados que justifiquem as avaliações bem ricas com que os títulos negoceiam, o que a acontecer muito provavelmente daria o mote para mais uma esticada por parte dos Touros. E quando refiro resultados estou a falar mais concretamente das perspectivas das empresas para os próximos três e doze meses, visto que em relação ao último trimestre do ano passado, sobre a qual incide esta earnings season o consenso é para um ligeiro recuo nos lucros, mas não será um grande problema caso os números fiquem um pouco abaixo do que é antecipado, nem se ficar acima do previsto, porque o importante será mesmo o futuro de curto-médio prazo, é neste horizonte temporal que se “joga” o encontro principal.

Com valorizações na semana passada acima dos 1,8% em todos os três principais índices norte-americanos o registo foi “mais do mesmo”, com Wall Street a marcar uma linha mais elevada com novos máximos históricos, suportados em boa parte pelas tecnológicas e em menor grau pelas financeiras que passaram com distinção o teste dos resultados, numa semana que ficou marcada pela assinatura do acordo parcial entre EUA e a China que poderá dar alguma tranquilidade ao mercado no tema mais disruptivo do ano passado. Ao nível económico os dados que foram conhecidos ajudaram ao optimismo, com as vendas a retalho na principal economia do mundo a pintarem um cenário de robustez no tópico mais relevante para os investidores, a confiança dos consumidores. Da China os ventos também foram favoráveis com o crescimento da produção industrial ao ritmo mais elevado dos últimos nove meses, o que amenizou substancialmente o receios de um ciclo menos bom da segunda maior economia do mundo, que aparentemente está a conseguir sacudir os efeitos negativos das tarifas alfandegárias impostas pelos EUA e ainda em vigor.

O gráfico de hoje é da JP Morgan, o time-frame é Mensal

Depois de uma estagnação de quase 12 anos que começou com a bolha das dot.com, os títulos da gigante financeira estão agora mais caros que nunca

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.
Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades PLC (“AT”). As informações não contêm um registro dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.
Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.
Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco.