Date: 08 Nov 2017

Em jeito de prolongamento do optimismo vivido na sessão de segunda-feira, ontem os negócios do sector dos media ainda deram motivo para algum movimento bullish, com a Disney, a Discovery Communications e a 21st Century Fox a valorizarem perto de 1%. Contudo tal não foi suficiente para contagiar o mercado em geral, isto porque o sector das small caps ressentiu-se da possibilidades de existirem entraves à aprovação da reforma fiscal proposta por Trump, uma vez que a mesma incorpora alguns cortes importantes de subsídios que serão contestados pelos lobbies dos sectores, mas igualmente porque, tal como se soube ontem através de um estudo de uma entidade independente, a reforma fiscal trará um agravamento do deficit orçamental de $1.7 triliões nos próximos 10 anos, o que supera o limite de $1,5 triliões até ao qual o partido Republicano pode aprovar o documento sem o consentimento do partido Democrata. Acresce que a proposta que deverá ser apresentada esta semana pelo Senado é esperada que não se enquadre totalmente pela indicada pela Casa dos Representantes, pelo que faltará trabalho de reconciliação, uma vez que ambas têm de ser compatíveis para poder ser levada ao Presidente para este a promulgar.

Esta incerteza pressionou as small caps, que são o grupo que tende a beneficiar mais da implementação da reforma fiscal, nomeadamente devido à redução da taxa do imposto dos 35% para os 20%. Sem grande surpresa o Russel 2000 foi o que obteve a pior performance ao recuar -1.25%. Ligeiramente pior esteve o sector financeiro do S&P500 que cedeu -1.33% com a redução do spread entre a taxa de 2 anos e a de 10 anos do tesouro norte-americano, o que potencia uma redução dos lucros do sector, uma vez que o mesmo deriva em boa parte nesse spread, pois é ao preço que adquirem o capital (curto prazo) e ao preço que o emprestam (longo prazo). Destaque para a valorização de 1,7% do índice nipónico, colocando-o em máximos de 25 anos. No Forex foi dia do U.S dólar se fortalecer ao adicionar 0,3% de valor contra um cabaz de outras moedas principais, terminando nos $1.159 contra o Euro e 113.94 versus o Yen.

Com o finalizar da earnings season o tema principal deverá voltar a ser o da reforma fiscal nos EUA, o que poderá condicionar o movimento de sectores específicos no mercado norte-americano. Na Europa o ponto essencial será o estado das reuniões dos representantes da U.E e do Reino Unido relativas ao Brexit.

 

O gráfico de hoje é do Ouro, o time-frame é Diário

O Ouro continua testar a quebra da linha inferior do canal ascendente, sendo que se não conseguir reconquistar a mesma em breve, o facto do stochastic estar a subir e o preço não, poderá indiciar um movimento bearish para breve.

Marco Silva