Date: 22 Ago 2017

Com o regresso do presidente Trump à Casa Branca, após o período de férias, o sentimento dominante em Wall Street foi o de cautela, o que aliado à menor presença de investidores resultou numa sessão onde o volume foi quase 20% menos que a média de longo prazo, e onde os indices terminaram sem grande expressão ao nível da variação. O facto de ontem terem começado as operações militares conjuntas entre os EUA e a Coreia do Sul, que estiveram na origem da ameaça de um ataque por parte da Coreia do Norte, e de na quinta-feira começar a conferência de Jackson Hole, onde vão discursar Janet Yellen e Mario Draghi, apenas ajudaram a desviar mais capital para as linhas laterais e para os activos refúgio, beneficiando o Ouro e o Yen com um ganho de 0,4% em ambos, o metal precioso avançou para os $1,287.75 por onça, enquanto que a moeda nipónica atingiu os 108.82, que é o valor mais elevado dos últimos 100 dias.

Nas commodities o Crude recuou 1,3% para os $47.88 por barril, anulando assim grande parte do ganho alcançado na sexta-feira, o que empurrou o sector energético do S&P500 para o pior desempenho do dia com um recuo de -0.55%. No Forex o U.S dólar cedeu 0,3% contra um cabaz de outras moedas principais, perdendo 0,4% e 0,2% versus o Euro e a Libra Inglesa respectivamente. Para os próximos dias há que ter cautela com um eventual regresso da retórica agressiva por parte da Coreia do Norte, enquanto que Trump tem pela frente um caminho difícil de reconquistar os membros do partido Republicano que estão contra a sua liderança, algo que poderá ser atingido caso o presidente norte-americano coloque o tema dos impostos e das medidas económicas em cima da mesa.
O gráfico de hoje é do Cobre, o time-frame é Semanal

O Cobre está dentro de um padrão de longo prazo de Head&Shoulders invertido, tendo quebrado recentemente a linha dos ombros (verde), local que poderá servir de suporte no curto prazo.

Marco Silva