Date: 21 Ago 2018

Sem notícias negativas sobre o tema da guerra comercial, os investidores continuaram ontem na onda positiva criada sexta-feira acerca de uma reunião para esta semana entre responsáveis norte-americanos e chineses, com vista à resolução, ou pelo menos diminuição da guerra comercial que existe actualmente, com as duas principais economias a trocarem elevadas tarifas alfandegárias a produtos importados da outra parte. Não foi por isso surpresa que os sectores que mais beneficiam com a estabilização das relações comerciais fossem, tal como na sessão anterior, os que mais pressão compradora registaram, nomeadamente os materiais, que lideraram os ganhos no S&P500 e as empresas industriais, permitindo ao Dow Jones averbar a subida mais expressiva do dia, ainda que tenha sido muito ligeira, de apenas 0,35%. Ganhos esses que podiam nem ter existido visto que nos últimos dez minutos da sessão os índices ressentiram-se com as declarações de Trump relativas ao trabalho do FED.

O presidente norte-americano quebrou de novo o protocolo da separação de poderes ao criticar abertamente o FED, na pessoa do seu presidente Jerome Powell, por causa da subida dos juros. Na entrevista à Reuters, Trump reafirmou igualmente a acusação de que a Europa e a China manipulam as suas moedas com vista a benefícios no comércio. Apesar dos investidores não darem grande importância às criticas de Trump ao FED, por este ter historia de independência, o certo é que o U.S dólar cedeu ontem -0.2% contra um cabaz de outras moedas principais, permitindo ao Euro e ao Yen, valorizações de 0,3% e 0,2% para os $1.1467 e 110.24 respectivamente. A lira turca voltou a ceder terreno, desta feita -1.5%, em contra-ciclo com as moedas dos mercados emergentes, que ontem valorizaram 0,4%. Esta semana promete trazer mais alguma agitação ao Forex, com a reunião do FED que começa hoje e termina amanhã, ao que se segue a reunião de vários presidentes de bancos centrais, no habitual congresso anual de Jackson Hole.

O gráfico de hoje é do índice do USD/CAD, o time-frame é Diário

O principal par de moedas encontra-se dentro de um canal descendente que poderá servir de indicador quanto ao timing do próximo movimento, após a quebra de uma das suas linhas

Marco Silva