Date: 12 Jul 2017

Apesar do susto derivado da polémica com os Tweets do filho de Trump, relativos à reunião com uma advogada russa com ligações ao Kremlin antes das eleições presidenciais de Novembro, ao aproveitamento de material para denegrir Hillary Clinton e ao apoio do Estado russo ao seu pai, o certo é que o dia de Wall Street foi pautado mais uma vez pelo aguardar dos primeiros resultados significativos da earnings season. O aumento das probabilidades de um impeachment ao presidente Trump aumentaram, mas tal como indicaram os analistas do Citigroup continua a ser muito improvável que tal venha a acontecer e para já os investidores concordam não dando crédito a esse cenário, optando antes por se concentrarem nos fundamentais.

E nesse campo nada de novo, o que levou a uma quase repetição da sessão de segunda-feira, com um ligeiro ascendente positivo em especial no sector tecnológico. Nas commodities o Crude arrancou uma valorização de 1,5%, no WTI, para os $45.04 por barril, permitindo assim ao sector energético liderar os ganhos no S&P500 com um avanço de 0,53%. Já no Forex o dia foi movimentado, com o U.S dólar a ceder 0,2% contra um cabaz de outras moedas principais, mas a perder significativamente mais, -0.6%, contra a moeda única para os $1.1463, ao passo que versus a Libra inglesa o “estrago” para os Bulls foi de apenas -0,3% para os $1.2848.

O gráfico de hoje é do Gás Natural, o time-frame é Semanal

NGasAug17Weekly

O activo continua a resistir à quebra da linha dos ombros (azul) do Head & Shoulders, sendo que a prazo haverá que contar com um aumento da produção por parte do Qatar, na ordem dos 30%, o que poderá ter implicações no movimento do preço.

Marco Silva