Análises de Mercado

Mais uma semana, mais uma alegria para os Touros?

Fecha a subir, abre a ganhar, será este o lema de Wall Street para mais uma semana em que os investidores estão a banhos, a aproveitar os últimos dias do principal mês de férias que não obstante o habitual menor volume trouxe uma corrente menos agitada, puxando pelos índices norte-americanos para novos máximos históricos? Como referi há uns dias o ruído do mercado está por agora estabilizado entre a promessa de uma vacina e a expectativa de um acordo no Congresso dos EUA para um novo pacote de auxílio à maior economia do mundo, tendo como pano de fundo a disponibilidade do FED em continuar a injetar quantidades exorbitantes de liquidez, assim como em manter os juros muito baixos por um periodo prolongado de tempo. Estes são os fatores principais para o actual status quo onde o percurso de menor esforço é a subida, havendo aqui e acolá uns grãos de sal que salpicam um ou outro dia de vermelho, mas nada de mais.

A frieza dos números transforma-se em calor para os Touros, dada a valorização alcançada no último mês, com os ETF´s do Nasdaq, do S&P500 e do Dow Jones a registarem mais 9% de ganhos para o segmento tecnológico, enquanto que os outros dois amealham um pouco mais de 5%, o que é a todos os níveis excelente, tendo em conta a actual performance económica global, dos EUA e das empresas, após uma earning season que nada fez para justificar mais uma perna no bull market. Mas se o passado recente é relevante, mais importante é tentar antever as próximas semanas, o que não aparenta ser muito complicado, tendo em conta que o ruído e os fundamentos para o movimento dos últimos meses deverá manter-se, com a introdução gradual do tema das eleições presidenciais norte-americanas, que para além da probabilidade de volatilidade acrescida, já de si comum nos meses de Setembro e Outubro, não se antecipa que provoque uma disrupção no sentimento bullish dominante, independentemente de quem ganhe o acto eleitoral.

No mercado cambial e após um mês de Julho em que o EUR/USD deu um pulo considerável, à boleia da fraqueza do U.S dólar, o principal par de moedas esteve o mês de Agosto em zona de consolidação estando por agora abaixo dos máximos do mês anterior mas com um outlook neutral a positivo no curto-prazo, contudo poderá ocorrer uma ligeira correcção que irá testar a quebra da linha de tendência que teve inicio nos máximos de Maio de 2014. Caso esta zona entre os $1,15 e $1,16 aguente estão abertas as portas para uma puxada até aos $1,25, nível dos máximos de Fevereiro de 2018. Já nas matérias-primas, o Ouro corrige por estes dias após ter atingido novo máximo histórico nos $2,075 por onça, embora em termos técnicos tenha espaço livre para subir até aos $2,260, antes de encontrar uma resistência técnica mais significativa.

O gráfico de hoje é do EUR/USD, o time-frame é Mensal

A linha de tendência que foi quebrada o mês passado é agora o local a ter em conta, no que respeita a um suporte.

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.
Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades (“AT”). As informações não contêm um registro dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.
Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.
Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco.