Date: 22 Set 2017

Um dia depois do fim de uma das mais importantes reuniões do FED, que resultou no anúncio do início da redução de um programa com quase dez anos de vida, e na quase confirmação de uma subida dos juros em Dezembro, os investidores adoptaram uma posição bastante defensiva sem que o movimento negativo que se criou tivesse alcançado significado relevante. Na realidade foi uma mera pausa depois de uma série de sessões, bastante prolongada, a terminar com ganhos, muito ligeiros em alguns casos é certo, mas a queda de ontem também foi ela ligeira, com o Nasdaq a liderar no recuo com uma perda de -0,52%, em grande parte devido à desvalorização de -1,3% da Apple. A empresa da “maça” foi mesmo a que mais contribuiu para o vermelho em todos os principais indices, com a pressão vendedora a surgir de algum pessimismo quanto à procura pelo iPhone anunciado recentemente.

No Forex o U.S dólar terminou o dia em baixa residual, apesar de durante a sessão ter alcançado o máximo de duas semanas, após a clarificação do FED sobre o aumento dos juros, o que fez subir as probabilidades para 70% de tal ocorrer em Dezembro. O Euro acabou por ser o principal “vencedor” com um ganho de 0,5% para os $1.1950, o que no plano técnico lhe permitiu “fugir” à quebra da linha dos ombros do Head&Shoulders que referi ontem. A moeda única ganhou fôlego um dia antes da primeira ministra do Reino Unido, Theresa May, revelar o seu plano revisto para o Brexit, que deverá incluir um pagamento a efectuar à União Europeia. Nas commodities destaque para a fraqueza presente nos metais, em virtude da redução do nível de rating da China por parte da S&P, o que pressionou o Ouro para uma queda de -1,7%, para os $1,294 por onça, enquanto que o Cobre recuou -1,1% para os $2.936.

 

O gráfico de hoje é do S&P500, o time-frame é Diário

O principal índice mundial está a consolidar na zona de quebra da linha superior do canal ascendente (azul) relativo ao último movimento de subida, facto que poderá condicionar no curto prazo o espaço que o mesmo tem para ganhos acentuados.

Marco Silva