Date: 03 Jul 2019

Sem grandes novidades e como era algo expectável, Wall Street continuou ontem a navegar por águas da indiferença com os investidores a não quererem colocar os pés no mercado antes dos non-farm payrolls de sexta-feira e do feriado de 4 de Julho, que irá encerrar as bolsas norte-americanas já hoje a partir das 13h, hora de Nova Iorque. Desta feita o S&P500 conseguiu registar a melhor performance num movimento ascendente transversal aos principais índices, que lhes permitiu fugir ao vermelho nos últimos minutos da sessão, o que não aconteceu no Russell 2000, com o índice das small caps a recuar -0.58%, enquanto que os restantes amealharam ganhos um pouco acima dos 0,2%.

Nos sectores foi evidente a fraqueza das energéticas que cederam -1.74%, vergadas pela queda de -3.4% no preço do WTI para os $57.12 por barril, enquanto os sectores refúgio estiveram claramente sobre forte procura por parte dos investidores, um indício importante, com as imobiliárias e utilities a conquistarem o podium das valorizações após subidas de 1.82% e 1.24% respectivamente. No mercado cambial a segurança também foi bastante procurada, o que permitiu ao Yen ganhar 0.5% face à moeda norte-americana para os 107.887, já o Euro não aproveitou para ganhar terreno com algum cepticismo do mercado em relação à escolha de Christine Lagarde para a liderança do BCE

Recordo que nas vésperas de começar mais uma earnings season as perspectivas são pouco risonhas, com os analistas a preverem uma estagnação dos lucros para o segundo trimestre, depois de no início do ano as expectativas apontarem para um crescimento de 6.5%, ao mesmo tempo que no terceiro trimestre as estimativas são agora para uma subida marginal de 0.7% nos lucros.

O gráfico de hoje é da EDP, o time-frame é Semanal

O preço dos títulos da eléctrica nacional está dentro de um canal wedge, pelo que a sua quebra deverá indiciar o próximo movimento singificativo

Marco Silva