Date: 05 Set 2017

Depois do maior teste nuclear, através de uma bomba de hidrogénio, por parte da Coreia do Norte no fim de semana, e com o feriado de ontem em Wall Street devido ao Labour Day, não era de antecipar muitas movimentações no mercado, com o pessimismo e a incerteza a dominar o sentimento dos investidores. Como seria de esperar os activos refúgio tiveram um dia de procura acentuada, com o Ouro e o Yen a valorizarem 0,5% cada um para os $1,335.46 por onça e 109.66 contra o U.S Dólar, respectivamente. Já o Franco suíço esteve ainda mais forte e adicionou 0,8% ao seu valor para os $0.957 por Dólar. Em relação aos principais indices o cenário foi bastante similar, com quedas a rondar os 0,5%, como aconteceu no Stoxx 600, enquanto que os futuros do S&P500 recuaram 0,3%.

Nas commodities a retoma progressiva da normalidade nas regiões afectadas pelo furação Harvey levou à inversão do movimento que foi usual nos dias anteriores, desta feita o Crude valorizou, 0,5% para os $47.51 por barril, ao passo que o valor da Gasolina recuou, uma vez que a procura por matéria-prima vai agora regressando aos valores habituais, assim como a produção do produto final. De destacar os avanços no preço do Cobre e do Nickel, que atingiram máximos de 3 e 2 anos respectivamente. Para os próximos dias reitero o conselho de cautela, especialmente com posições alavancadas, não apenas devido à situação geo-politica muito incerta na zona das Coreias, mas também porque com o regresso aos trabalho do Congresso norte-americano, as declarações sobre o tecto da dívida e a reforma fiscal, poderão aparecer sem aviso, tendo ambos os temas força suficiente para movimentar o mercado para qualquer um dos sentidos.

 

O gráfico de hoje é do Cobre, o time-frame é Semanal

O padrão de Head&Shoulders invertido no gráfico do Cobre, continua de vento em popa, contudo é possível que exista ainda um retracement e teste à linha de quebra (verde), antes do activo tentar atingir o objectivo final que está na linha azul.

Marco Silva