Date: 16 Mai 2018

O problema de uma zona de transição é que basta um indicador para fazer pender a balança para qualquer dos lados, foi assim na semana passada, com os dados económicos a sugerirem um regresso ao período de Goldilocks, onde a inflação é baixa e o crescimento robusto, e foi assim ontem, com os dados sobre as vendas a retalho nos EUA a surpreenderem em alta, lançando assim o nervosismo entre os investidores de um apertar do “cinto” por parte do FED, tanto mais que a taxa de juro das obrigações soberanas norte-americanas atingiram máximos de quase 7 anos, impulsionando o U.S dólar para o maior valor dos últimos 4 meses, após uma subida de 0,6%. Valorização que empurrou o Euro e o Yen para um recuo de -0.7% cada, para os $1.185 e 110.375 respectivamente, ao passo que a Libra cedeu -0.3% terminando nos $1.351.

No S&P500 apenas o sector energético escapou ao vermelho, embora que por muito pouco e por beneficiar da subida ligeira no preço do crude para os $71.31 por barril. O sector do imobiliário, um dos mais sensíveis à subida dos juros foi o que mais desvalorizou, logo seguido pela saúde num retracement dos ganhos recentes. De realçar que o volume ontem foi em linha com a média dos últimos 20 dias, em contraste com o menor número de transacções dos dois dias anteriores em que o mercado esteve com sentido incerto. Nesta fase é importante aferir do andamento da taxa de juro a 10 anos da dívida dos EUA, é o indicador mais seguido pelo mercado com vista a decidir para que lado irá pender a balança tanto nas acções como no Forex, isto porque desde final de Janeiro que sempre que esta taxa de juro se aproxima dos 3% os indices ressentem-se e geralmente terminam com quedas razoáveis, assim como a moeda norte-americana dá sinais de força, como seria de esperar.

O gráfico de hoje é do GBP/JPY, o time-frame é Semanal

O par de moedas Libra inglesa/Yen está dentro de um canal ligeiramente ascendente, que é muito provavelmente um período de consolidação antes de um movimento acentuado, é importante por isso ter atenção para que lado este vai quebrar, porque na maioria das ocasiões o movimento posterior é no sentido contrario, portanto um falso break

Marco Silva