Date: 20 Jun 2019

Tal como era maioritariamente esperado pelo mercado, o FED não mexeu nas suas taxas de juros, contudo e também como era expectável Jerome Powell e seus colegas do board do maior banco central do mundo, não foram insensíveis às “vozes” dos investidores que apontavam para um corte na reunião de Julho e mais dois até final do ano. Ao retirar a palavra “paciente” das declarações em relação à reunião anterior, no que diz respeito a mexidas no curto prazo, e ao referir que o FED irá agir conforme apropriado para sustentar a expansão económica, Powell cumpriu com tudo o que se esperava dele, abriu a porta ao corte de juros em Julho, deu espaço para pelo menos mais uma redução este ano e não caiu na ideia de que anda a reboque de Trump, após se ter conhecido que o Presidente norte-americano tentou removê-lo do cargo em Fevereiro, tema que Powell abordou dizendo apenas que pretende cumprir os quatro anos de mandato.

Com a confirmação de um movimento dovish não foi de admirar que a moeda norte-americana tenha reagido em baixa, cedendo -0.4% contra um cabaz de outras moedas principais, o que permitiu ao Euro amealhar 0.3% contra o U.S dólar para os $1.1228, contudo a principal “vencedora” do dia foi a Libra inglesa que valorizou 0.7%, terminando o dia nos $1.2645. Nos sectores do S&P500 a perspectiva de dinheiro mais barato castigou as financeiras que recuaram -0.21%, enquanto que as utilities, muito carregadas de custos com juros nas suas operações, registaram a segunda melhor subida do dia com um ganho de 0.81%.

Apesar do optimismo gerado ontem as variações positivas foram pouco significativas, com o Nasdaq a registar a maior oscilação com um ganho de 0.42%, sendo portanto de esperar que hoje os investidores empurrem o mercado para um dos lados e com mais ímpeto, já com as ideias um pouco mais estabelecidas.

O gráfico de hoje é do EUR/USD, o time-frame é de 1 hora

Após a quebra do canal (azul) no ponto A e a falha em reconquistar o mesmo no ponto B, foi natural o movimento descendente, que agora poderá vir a efectuar um novo teste à linha inferior do canal.

Marco Silva