Análises de Mercado

Desemprego deixa Touros em terra

Quando no início de Junho os non-farm payrolls nos EUA, relativos ao mês de Maio, indicaram uma criação de 2,5 milhões de postos de trabalho, a reacção do mercado foi de incredibilidade, desde logo pelo facto dos economistas terem previsto uma perda de 7,5 milhões de empregos para esse mês. Depois porque não obstante durante os meses de Abril e de Maio, os pedidos de subsídios de desemprego terem diminuído, continuaram em volumes muito superiores aos dos meses anteriores à crise, não deixando antever uma melhoria tão célere do mercado de trabalho. Surpresa essa que na altura deu um impulso considerável à teoria da recuperação em V da economia e por consequência ao optimismo dos Touros de Wall Street, apesar dos avisos à data do presidente do FED no sentido de uma recuperação lenta e gradual.

Ontem os investidores foram de novo apanhados de surpresa, mas desta vez para o lado negativo, devido ao aumento dos pedidos de desemprego na semana que passou, quando os analistas previam uma redução marginal para os 1,3 milhões e não os 1,42 milhões que foram divulgados. Ora, com os índices norte-americanos perto de máximos históricos, as avaliações das empresas muito acima da média de longo prazo e ainda sem um novo acordo para mais um pacote de auxílio à maior economia do mundo, a reacção dos investidores foi de retirar algum risco de cima da mesa, principalmente nos sectores que mais têm valorizado nos últimos meses como o tecnológico, mas igualmente das empresas com maior capitalização.

O resultado foi a queda mais acentuada do Nasdaq, que excedeu os -2,2%, enquanto que o Russell 2000 conseguiu terminar positivo, ou seja ocorreu uma clara rotação de capital para activos mais seguros, favorecendo as utilities e as retalhistas de produtos essenciais, os dois outros grupos do S&P500 que em conjunto com as financeiras escaparam ao vermelho. A procura por segurança estendeu-se ao mercado cambial, empurrando o Yen para um ganho de 0.3% nos 106.84 por U.S dólar, enquanto que nas matérias-primas o Ouro continua a brilhar alcançando uma valorização de 1% para o nível mais elevado dos últimos nove anos, nos $1,882 por onça.

O gráfico de hoje é do Russell2000, o time-frame é Diário

O índice das small caps está por enquanto a aguentar a quebra da linha de tendência (azul), que abriu espaço para uma valorização no curto-prazo, que pode ir até aos máximos de Fevereiro.

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.

Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades (“AT”). As informações não contêm um registo dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.

Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.

Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco