Date: 04 Jun 2018

Depois de uns dias em que o mercado vagueou ao ritmo de notícias de índole não económica, na sexta-feira Wall Street voltou a ser condicionada pelos dados económicos, neste caso os principais do mês, os non-farm payrolls. Desde logo há que realçar a elevada qualidade dos números divulgados, com ganhos no emprego em todos os sectores e a bater todas as previsões, tanto no número de empregos criados, 223,000 contra os 188,000 projectados e acima da média de 179,000 dos últimos três meses. A taxa de desemprego ficou nos 3,8%, um mínimo dos últimos 18 anos e 0,1% abaixo do que era antecipado, mas ainda mais importante para os investidores foi a subida nos ganhos por hora que ficaram nos 0.3%, acima dos 0,1% do mês anterior o que fez subir os ganhos anuais para os 2,7%, facto esse que provocou uma ligeira reviravolta no sentimento do mercado quanto aos próximos passos do FED relativamente às taxas de juro, nomeadamente que para além da subida esperada já este mês poderão ocorrer mais duas.

Mas se nas vezes anteriores os investidores transmitiram receio quanto a um acelerar dos juros, desta feita os bons dados do emprego deram a confiança necessária para que a economia tenha condições para enfrentar esse facto sem prejudicar na vertente dos lucros. Com a perspectiva de um ambiente de juros mais elevados as tecnológicas, mais viradas para o crescimento, foram as mais beneficiadas com o optimismo ao passo que as utilities, muito sensíveis ao juros, foram as que pior performance tiveram. Nos índices o Nasdaq suplantou os restantes com um ganho de 1,51%. No Forex o U.S dólar sentiu os ventos dos bons dados económicos e valorizou 0,2%, enquanto o Yen cedeu -0.6% para os 109.47 com a venda de activos refúgio, movimento que empurrou igualmente o Ouro para uma queda de -0.4%, terminando nos $1,294. Para esta semana é de esperar que o optimismo continue a dominar, pelo menos nos primeiros dias e na ausência de alguma notícia negativa no campo político.

O gráfico de hoje é do Nikkei 225, o time-frame é Semanal

O índice nipónico poderá vir a efectuar um padrão de head&shoulders caso quebre a linha dos ombros (vermelho)

Marco Silva