Date: 28 Fev 2018

“Baralha e volta a dar”, é o sentimento com que ficaram os investidores após as primeiras declarações do novo presidente do FED, Jerome Powell, ontem no House Financial Services Committee. Isto porque após a reunião de Janeiro do banco central ficou no ar a ideia de que poderia existir um acelerar do movimento de subida dos juros, nomeadamente de três para quatro subidas em 2018, contudo nos últimos dias o relatório bi-anual do FED indiciou uma outra realidade, da preferência pelo programado o ano passado, ou seja apenas três. Indícios que valeram a Wall Street duas sessões de subidas interessantes. Mas ontem Powell veio dar “o dito por não dito” ao levantar a possibilidade de uma revisão das previsões para o ritmo de tightening, devido aos indícios de que a maior economia do mundo está a reforçar o seu crescimento levando a uma subida da inflação, que se não for controlada poderá ultrapassar o objectivo de 2%, estabelecido pelo banco central.

O sentimento de desilusão e incerteza tomou conta de Wall Street, empurrando todos os indices norte-americanos para quedas superiores a -1,10%, apesar do inicio em alta, e com todos os sectores do S&P500 a cederem terreno, liderados pelo imobiliário com um recuo de -2.15%. Quem beneficiou com as novas indicações sobre a politica monetária do FED, foi o U.S dólar, que valorizou 0,6% contra um cabaz de outras moedas principais, ganhando 0,7% contra a moeda única para os $1.223, ao passo que o Rand sul africano afundou -1.7% com a remodelação do governo por parte do novo presidente Cyril Ramaphosa, que incluiu o regresso de Nhlanhla Nene para as Finanças, após ter sido despedido há cerca de dois anos pelo anterior presidente. A libra inglesa cedeu -0.5% para os $1.3904 um dia antes da União Europeia divulgar um draft para um acordo sobre o Brexit, evento que poderá influir na volatilidade dos pares de moedas onde a Libra e o Euro estiverem presentes.

O gráfico de hoje é do EUR/USD, o time-frame é Diário

Tal como referi ontem o par de moedas foi testar a linha inferior do canal (azul), estando agora na “hora da verdade” quanto ao seu futuro imediato, pode continuar o percurso do duplo topo que está em vigor ou efectuar um rebound nesta linha de suporte.

Marco Silva