Análises de Mercado

Brexit anima Euro e Wall Street continua sem gás

Com o tema das eleições norte-americanas em banho maria, sem avanços nas negociações sobre os apoios à maior economia do mundo por parte do Congresso dos EUA, os olhares desta quarta-feira estão concentrados deste lado do Atlântico, nomeadamente na possibilidade de existir um acordo para o Brexit entre o Reino Unido e a União Europeia, depois de meses de retórica pouco conciliadora por parte de Boris Johnson, o que não deixa de ser curioso que o desenvolvimento positivo ocorra só após a derrota eleitoral de Trump, aliado de Johnson. Esta hipótese de uma resolução pacífica do impasse gerado pela decisão do Reino Unido em sair do bloco Europeu está a beneficiar a libra inglesa, que valoriza 0,4% para os $1.3292, enquanto que o Euro não consegue amealhar ganhos, com a moeda única a ser pressionada negativamente pelo veto da Polónia e Hungria à “bazuca” da União Europeia, com vista a combater os efeitos nefastos na economia derivados das medidas implementadas para combater a pandemia de COVID-19.

Em Wall Street o anúncio do fim do ensaio clínico da vacina da Pfizer contra o COVID, que terminou com uma taxa de eficácia de 95%, pouco ou nada alterou no sentimento que se mantém sem grande entusiasmo ou pessimismo, navegando os índices norte-americanos entre os ganhos e perdas ligeiras, com o Dow Jones a registrar a melhor performance em virtude da valorização da Boeing, depois da autoridade de aviação dos EUA ter dado permissão para que o 737 Max volte a voar, após um programa extensivo de melhorias no avião que provocou uma hecatombe nos negócios da empresa. Em suma e tal como tinha referido no comentário da sessão de segunda-feira, o mercado deverá manter-se sem grande convicção nos próximos dias, uma vez que os catalisadores para novos máximos históricos não existem, assim como uma correção está fora do status quo reinante desde os mínimos de Março, e após várias injeções de liquidez no mercado, por parte do FED e governo dos EUA, nos diversos programas de auxílio.

O gráfico de hoje é do S&P500, o time-frame é Semanal

Na análise técnica o principal índice accionista tem algum espaço para correr até encontrar um nível de resistência importante nos 3909 pontos, que é uma extensão Fibonacci do último movimento ascendente antes da correcção de Março.

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.

Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades (“AT”). As informações não contêm um registo dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.

Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.

Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco