Date: 20 Nov 2018

Wall Street dificilmente poderia ter começado pior esta importante semana, que é de reduzida duração devido ao feriado do dia de Acção de Graças na Quinta-Feira, ao que se segue o kick off da época de ouro do retalho com a Black Friday. Tudo correu mau para os Bulls, foi aliás uma tempestade perfeita de notícias vindas de vários sectores, a começar pelas palavras do vice presidente norte-americano no fim de semana, que deixou claro que não haverá cedências por parte dos EUA se a China não aceitar os pontos mais importantes da proposta do seu país, deitando por terra qualquer vestígio de optimismo que ainda pudesse existir da declaração de Trump na sexta-feira, que indicou a possibilidade de se chegar a acordo e de não entrar em vigor a última fase das tarifas alfandegárias. Mas se o sentimento já era tremido ficou bastante pior quando pela primeira vez o encontro para a cooperação económica Ásia-Pacífico não teve uma declaração final devido às divergências entre os EUA e a China.

Indicações dadas pelo New York Federal Reserve President John Williams de que o Banco Central iria continuar com o ritmo programado, anularam o optimismo de alguns que viram nas palavras do vice presidente do FED uns dias antes a possibilidade de um ritmo mais lento, enquanto que ao nível económico o facto da confiança entre os construtores norte-americanos ter caído o máximo dos últimos 4 anos só ajudou a reforçar o clima de aversão ao risco. Clima esse que foi fortemente abalado por duas notícias do Wall Street Journal referentes a duas big tech. A primeira atingiu a empresa mais valiosa, a Apple, que segundo o jornal reduziu o nível de produção dos iPhones anunciados ao mercado em Setembro, ou seja um rude golpe nas perspectivas do produto mais importante da empresa. A segunda foi o Facebook, que continua a sofrer pressão negativa com a probabilidade de ter tentado abafar a sua influência no desfecho das eleições de 2016, comportamento que segundo o WSJ foi condenado por Mark Zuckerberg que culpou a COO da empresa, Sheryl Sandberg, pela forma como esta lidou com a situação.

Como se não bastasse o crash de sexta-feira nos títulos da Nvidia, ontem o Financial Times divulgou que a China afirmou ter fortes evidências de comportamentos anti-concorrenciais por parte da Samsung, SK Hynix e Micron Technology, ou seja os principais fabricantes de memórias do mundo. o que empurrou o sector dos semicondutores para uma queda de quase -4%. No final do dia o Nasdaq foi vergado a uma perda significativa de -3,03%, enquanto que os restantes dois índices principais se ficaram por cerca de metade desse valor..

No Forex de realçar a procura por activos refúgio, com o Yen a ganhar 0,3% para os 112.54 , movimento que também foi notório no mercado accionista, com as utilities e imobiliárias a serem os únicos sectores a escapar ao vermelho.

O gráfico de hoje é do Nasdaq, o time-frame é Diário

Caso o índice tecnológico ceda muito mais terreno a probabilidade de conseguir validar um duplo fundo em cima da linha de tendência reduz-se substancialmente.

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.

Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades PLC (“AT”). As informações não contêm um registro dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma negociação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade dessas informações. Qualquer material fornecido, não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável do desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução. Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por conta própria e risco.