Date: 01 Set 2017

Depois de na quarta-feira os dados económicos terem levantado a moral dos Bulls e feito ressurgir as perspectivas de uma nova subida dos juros este ano por parte do FED, ontem dados relevantes no que respeita à inflação deram indicações contrárias, contudo não foi por isso que Wall Street vacilou, bem pelo contrário, terminando o mês de Agosto em alta, registando assim o quinto mês consecutivo de ganhos para o índice industrial e o S&P500, ao passo que o Nasdaq terminou a valorizar pelo nono mês em dez, com a particularidade de estar agora em máximos históricos, ou seja, aparentemente os fundamentos económicos estão quase perfeitos para os investidores, bom crescimento económico mas sem pressões inflacionistas, o que retira pressão ao banco central norte-americano para normalizar a politica monetária, o que por sua vez, é um estimulo à continuação do fulgor da economia. Esta aparente “disfunção” cria um sentimento que apesar de não ser consistente, do ponto de vista do longo prazo, mas também não causa qualquer motivo para a inversão do sentido do mercado, até porque os resultados das empresas não têm desiludido.

Hoje se verá com qual das indicações os non-farm payrolls vão coincidir, no sentido de um aumento dos juros este ano ou nem por isso, sendo que as probabilidades de tal acontecer caíram ontem para os 31%, em qualquer dos casos o mercado accionista não deverá reagir de forma muito diferente da dos últimos dias, a menos que exista uma grande disparidade entre o número efectivo e as previsões de 180.000 novos postos de trabalho, contra os 209.000 do mês de Julho. Já no Forex, o cenário deverá ser diferente no que toca à volatilidade, como de costume este é o dado económico mensal mais importante para o valor da moeda norte-americana e estando o U.S dólar numa zona de suporte, tudo aponta para uma sessão com boas oportunidades de negócio. Até porque o Euro está também nos holofotes dos investidores, devido aos rumores sobre a preocupação, para os lados do BCE, relativa à recente valorização da moeda única, que poderá colocar em causa a revitalização do crescimento económico dos países do bloco, ao mesmo tempo que poderá ser mais um factor negativo para a desejada subida do valor da inflação para os valores estabelecidos pelo banco central.
O gráfico de hoje é do S&P500, o time-frame é Semanal

O principal índice mundial continua a aguentar-se dentro do canal ascendente menor (linhas vermelhas), sendo que se aproxima vagarosamente da linha inferior do canal de longo prazo (pitchfork-linhas verdes)

Marco Silva