Análises de Mercado

750, é o número do optimismo

Quinhentos mil milhões de euros era o montante apontando pelo eixo franco-alemão para o fundo de ajuda aos países europeus mais afectados pela crise económica derivada da pandemia de COVID-19. A União Europeia, liderada pela alemã Ursula von der Leyen vai mais longe e propõe um pacote de estímulos de setecentos e cinquenta mil milhões de euros, com duzentos e cinquenta mil milhões a serem distribuídos em forma de empréstimos e o restante como subvenções, ou seja a fundo perdido. Mas se este é um passo no sentido certo para resolver um problema já hoje evidente, não apenas de contracção económica mas também de desigualdades entre países do bloco, o valor fica muito aquém dos 1,5 biliões propostos pela Itália.

Contudo se 5% do PIB da União Europeia, que é o valor indicado pela Comissão Executiva, pode parecer insuficiente para muitos, nomeadamente dos países do sul, o facto de a grande fatia ser subvenções poderá não ser de fácil “venda” no conjunto de países do norte, como a Holanda, Áustria, Suécia e Dinamarca, que já expressaram estar contra esse tipo de auxilio sem uma correspondente dose de austeridade associada, daí que como diz o ditado popular “até ao lavar dos cestos é vindima”, ou seja muito pode acontecer, para ambos os lados, seja no montante ou na forma final de apoios.

Seja como for, a simples intenção de um novo balão de oxigénio à economia europeia, está por agora a permitir aos índices prolongar os ganhos registados na sessão de segunda-feira, até porque do outro lado do mundo o Japão aprovou mais $1,1 biliões de estímulos, com a particularidade de cerca de um terço ser em gastos directos. Tudo somado ao que já existe do lado dos EUA, está criado o sentimento de que as principais economias mundiais irão estar sobre um manto de suporte financeiro nos próximos meses, que ajudarão a amenizar o devastador impacto das medidas de quarentena impostas para conter a pandemia de COVID e isso é o suficiente para empurrar Wall Street para ainda mais perto de novos máximos históricos, nomeadamente no Nasdaq.

O gráfico de hoje é do Nasdaq, o time-frame é de 1 hora

Um exemplo de um padrão de um Head & Shoulders invertido, com os ombros (setas), cabeça (1), e a linha dos ombros (linha azul).

Marco Silva

A informação fornecida não constitui pesquisa de investimento. O material não foi preparado de acordo com os requisitos legais destinados a promover a independência da pesquisa de investimento e, como tal, deve ser considerado uma comunicação de marketing.

Todas as informações foram preparadas pela ActivTrades (“AT”). As informações não contêm um registo dos preços da AT, nem uma oferta ou solicitação de uma transação em qualquer instrumento financeiro. Nenhuma representação ou garantia é dada quanto à exatidão ou integridade desta informação.

Qualquer material fornecido não tem em conta o objetivo de investimento específico e a situação financeira de qualquer pessoa que possa recebê-lo. O desempenho passado não é um indicador confiável de desempenho futuro. AT fornece um serviço somente de execução.

Consequentemente, qualquer pessoa que atue na informação fornecida o faz por sua conta e risco